Posts taggeados em: gastronomia





9 de agosto de 2017

5 restaurantes para se deliciar em Pinheiros

Pinheiros concentra excelentes opções de restaurantes para todos os gostos. Confira algumas dicas de estabelecimentos para você conhecer:
Arturito
Comandado pelo chef argentina Paolla Carosella, o Arturito foi várias vezes premido pela Veja Comer & Beber. Entre as opções do cardápio há peixe do dia na chapa com brócolis salteados, tahine e sumac, além das clássicas empanadas argentinas.


Cantina Gigio
Localizada na Rua dos Pinheiros, a Cantina Gigio é especializada na culinária italiana. A casa é conhecida pelos pratos fartos. O Tagliarini verde à italiana ao molho de tomates frescos com filé mignon é um dos grandes destaques.


Le Jazz Brasserie
O Le Jazz Brasserie é um bistrô francês com estilo parisiense. Como o próprio nome sugere, o jazz ao fundo acompanha as refeições. A casa serve sanduíches, grelhados, saladas e diversas opções de drinks.


Meats
O Meats é uma hamburgueria artesanal, especializada em criar lanches diferentes e muito saborosos. Para acompanhar, a casa serve rabinhos de porcos fritos com molho de pimenta, ervas e gengibre, entre outras opções.


Vila das Rosas
Localizado próximo da Av. Rebouças, o Vila das Rosas é um restaurante vegetariano, que também serve pratos veganos. A feijoada é bastante popular, assim como o hambúrguer de falafel de grão de bico.





21 de novembro de 2014

5 receitas rápidas para quem tem fome e pressa!

Bateu fome e não tem nada pronto? Não precisa pedir delivery nem comprar comida congelada. Além de fazer mal à saúde, estas práticas vão nos engordando e a gente nem percebe.

Selecionamos 5 receitas rápidas que chegam à mesa em, no máximo, 30 minutos, matando a fome e respeitando a pressa. Outras saídas são fazer tudo na panela de pressão ou pratos gostosos usando o micro-ondas. A única coisa proibida, aqui, é comer mal.

Veja algumas delícias vapt-vupt, prontas em menos de 30 minutos, para quem tem pressa na cozinha mas não abre mão de comer bem:

1. Penne com tomate cru. Foto: Dulla

2. Bolinho de arroz . Foto: Tricia Vieira/Foto Arena

3. Penne com presuntada e ervilhas . Foto: Roberta D’Angelo

4. Ovo frito com berinjela grelhada. Foto: Dulla

5. Wrap de frango. Foto: Divulgação





3 de julho de 2014

O que as seleções comeram enquanto estavam por aqui?

Faltam apenas 10 dias para o Campeonato Mundial de Futebol acabar e grande parte das seleções já voltou para casa. Mas, enquanto estavam por aqui, os jogadores fizeram vários pedidos inusitados no que diz respeito à gastronomia! Confira algumas curiosidades dos cardápios dos times de futebol e conte pra gente: de qual deles você gostou mais?

 

Brasil

Para os jogadores brasileiros, não falta o tradicional arroz com feijão, é claro. No entanto, em dia de jogo, apenas o caldo deve ser consumido. O cardápio muda em dia de treino: o time pode fazer pedidos especiais e frango à parmegiana, churrasco e polenta são os mais requisitados! Além disso, aniversários também pedem comemoração: bolos fazem a festa dos jogadores!

 

Itália

Italiano bom é aquele que gosta de massa! E, nesse quesito, a seleção italiana não deixou a desejar: pediu que fossem servidas pelo menos duas massas diferentes por jogo. Além disso, uma outra exigência foi que todos os pratos fossem preparados sem alho e cebola.

 

Portugal

Nossos amigos portugueses chegaram ao Brasil com nada menos do que 200 kg de bacalhau, 80 kg de polvo, 48 garrafas de azeite, 10 kg de orelha de porco, 60 kg de arroz carolino e 48 garrafas de vinho do Porto (para presente!). Que apetite!

Fonte: ChefRS

 

Equador

Embora a seleção do Equador tenha uma dieta baseada especialmente em arroz, feijão, carnes, salada, suco natural e muitas frutas, os jogadores fizeram um pedido especial ao desembarcarem aqui: queriam provar o legítimo churrasco gaúcho. Boa escolha!

 

México

Mexicano que é mexicano adora uma boa pimenta! E a seleção do México fez jus à fama da culinária do seu país ao desembarcar no Brasil com 12 tipos de molhos de pimenta, além de sete malas com ingredientes típicos, como tortillas, pimentas secas e em conserva e alguns grãos.

 

Irã

A alimentação iraniana segue as restrições da religião muçulmana e, por isso, as carnes têm de ter certificado halal – que é conferido quando o abate e o preparo seguem as exigências da religião. Como as bebidas alcoólicas são proibidas, além disso, a comitiva pediu que uma chopeira localizada no Centro de Treinamento do Corinthians, onde a seleção passa a maior parte do tempo, fosse coberta com um pano.

 

Fonte: Folha de S. Paulo





16 de junho de 2014

Comida mexicana para assistir à partida de futebol? Por favor!

Por Carolina Lordello

 

Amanhã o Brasil enfrenta o México em mais uma partida do Campeonato Mundial de Futebol! E, embora a gente esteja torcendo para o Brasil, não dá para negar que o país dos burritos possui uma ampla cultura e uma gastronomia incrível, que a cada dia agrada mais pessoas por aí. Hoje, então, que tal dar um sabor mexicano à partida de futebol?

Como a maioria dos pratos atuais, a origem dos nachos e dos burritos é um pouco nebulosa. Especialmente porque, hoje, existe a famosa culinária tex-mex, que abriga elementos mexicanos e norte-americanos. No entanto, as versões das histórias desses dois pratos, tão consumidos no mundo, baseiam-se em praticamente dois fatos:

 

De onde vieram os nachos?

Ignácio Ayala, apelidado de Nacho, vivia na cidade de Piedras Negras, Coahuila, Mexico, e trabalhava em um clube esportivo chamado Clube Victoria. Um belo dia, chegaram uns “gringos” que queriam um petisco diferente. Foi aí que Nacho, então, teve a brilhante ideia de cortar uma tortilla de milho em triângulos, fritar, adicionar queijo cheddar e pimenta Jalapeño. Surgiram, dessa maneira, os nachos!

 

E os burritos?

Os burritos, por sua vez, foram criados nos tempos da Revolução Mexicana, que ocorreu de 1910 até 1921! No bairro da Bella Vista, em Cd. Juarez, Chihuahua, México, havia um senhor chamado Juan Mendez, que possuía uma barraquinha próxima ao rio que delimita a fronteira entre o México e os Estados Unidos e, nela, vendia a típica comida mexicana. Do lado norte-americano, por sua vez, em El Paso, moravam muitos mexicanos que haviam fugido da revolução.

Óbvio que, aos poucos, a comida que espalhava seu aroma através da fronteira ganhou fama e Juan Mendez começou a receber encomendas de El Paso. Para a comida não esfriar, ele teve a ideia de fazer tortillas de trigo grandes e colocar recheios dentro dela, enrolando-as para manter a temperatura quente! Elas, então, eram transportadas nas costas de um burro e assim receberam o nome de “burritos”, que até hoje são o carro-chefe de muitos restaurantes mexicanos.

 

Independente da origem desses pratos, o importante é que comida mexicana é muito boa e, embora não seja tão simples de fazer, pode ser adaptada! Que tal, então, fazer uns molhos diferentes para assistir à partida de futebol e servi-los com uma porção de salgadinhos que parecem nachos? Confira uma receita de guacamole e delicie-se!

 

Receita de Guacamole (do blog Receita Original)

 

Ingredientes:

- 4 abacates maduros descascados

- 1 colher de sopa de cominho moído

- 1 tomate médio maduro, sem sementes, em cubos

- 1/2 xícara de cebola branca picada

- 2 pimentas serrano, sem sementes, picadas

- 1/4 de xícara de folhas de coentro picadas

- 4 colheres de sopa de suco fresco de limão

- Tempero de pimenta, sal marinho e pimenta branca a gosto.

 

Preparo:

Pique o abacate em pedaços grandes e esmague grosseiramente em uma tigela grande com um garfo. Adicione os ingredientes restantes e misture suavemente – não deixar ficar homogêneo, os pequenos pedaços fazem parte da receita. Prove e ajuste o tempero com mais molho de pimenta, sal e pimenta se desejar.